Panorama do Mercado de Crédito - Núcleo de Macroeconomia e Renda Fixa

Durante o último ano, políticas econômicas anticíclicas foram responsáveis por garantir a estabilidade financeira de uma parcela das famílias e empresas, de modo que, os impactos causados pela pandemia, fossem menos severos na economia. Estímulos econômicos suscitaram um sistema financeiro bem capitalizado e com liquidez elevada, ao mesmo tempo que favoreceram uma queda na taxa de inadimplência. Os dados de fevereiro sugerem que o ano de 2021 será um ano possivelmente bom para o mercado de crédito.


Saldo


Analisando primeiramente o saldo da carteira de crédito como porcentagem ao Produto Interno Bruto (PIB), percebe-se que a relação se encontra em valores máximos comparando os últimos 10 anos. Em fevereiro, a relação crédito/PIB foi de 53.99%, e a última vez que tivemos um pico com valores próximos a este, foi em dezembro de 2015, quando a relação estava em 53.86%. Esse dado sugere que o mercado de crédito continua sendo um dos principais motores da economia nesse primeiro semestre de 2021.


Concessões


As concessões de crédito tiveram um crescimento de 3.1% no acumulado dos últimos 12 meses, com um aumento de 8.4% para o segmento de pessoa jurídica (PJ) e uma queda de 1.4% para pessoa física (PF). Esse crescimento nas concessões se deve principalmente ao crédito direcionado, que apresentou um aumento de 52.7% no acumulado de 12 meses, na série com ajuste sazonal, sendo PJ o principal influente desta variação. Essa alta expressiva nas concessões para PJ pode ser justificada pelas atrativas taxas de juros durante os últimos meses.

Levando em consideração a série com ajuste sazonal, o crédito para PJ e PF tiveram variações positivas de janeiro para fevereiro. As concessões para PJ tiveram uma variação de 4.74% e para PF de 6.51%. Dentro das concessões para PJ, o segmento para capital de giro apresentou um aumento de 19.74% em fevereiro, na comparação com o mesmo mês do ano anterior. Para PF, o destaque de alta é para o segmento de aquisição de veículos, com um aumento de 19.32% na mesma comparação.


Índice de Custo de Crédito (ICC)


Em fevereiro, a média do Índice de Custo de Crédito total foi de 17.20%. Comparando o custo com o mês anterior, houve um aumento de 0.18 pontos percentuais (p.p.), enquanto na comparação com o mês de fevereiro do ano passado, o ICC total teve uma variação negativa de 3.03 p.p. O aumento do custo do crédito no mês de fevereiro em relação a janeiro se deve principalmente ao crédito livre, com alta de 0.31 p.p., alcançando 24.22%, enquanto para o mesmo período, o direcionado apresentou uma queda de 0.02 p.p., atingindo 8.20%.

Comparando o ICC de recursos livres de fevereiro com o mesmo mês do ano passado, observou-se uma queda de 5.17 p.p., sendo a maior variação absoluta o ICC do crédito consignado para PF, que variou de 111.48% para 88.47%, sendo um total de 23.01% p.p. de variação negativa. Quando comparado com o mês de janeiro, os subgrupos de custo de crédito que apresentaram maiores variações foram o cheque especial para PF com uma variação positiva de 4.64 p.p. (atingindo 124.93% em fevereiro), seguido de cartão de crédito que teve uma alta de 2.39 p.p. (atingindo 33.99% em fevereiro).

O ICC para recursos direcionados em fevereiro quando comparado com o mesmo mês do ano anterior, recuou 0.39 p.p., atingindo 8.20% esse ano. Entre os subgrupos que apresentaram maiores quedas, estão o capital de giro com recursos do BNDES para PJ, com variação negativa de 4.30 p.p. auferindo 9.58%, e crédito rural total para PJ, que teve uma variação de 1.9 p.p., atingindo 6.05%. Comparando fevereiro em relação a janeiro, a maior queda do ICC foi para recursos direcionados para PJ no segmento de capital de giro do BNDES, que apresentou uma queda de 0.13 p.p.


Inadimplência


A inadimplência da carteira de crédito total teve um aumento de 0.11 p.p. em relação a janeiro, alcançando 2.26% de inadimplentes totais. A maior variação foi em PJ, com alta de 0.16 p.p. chegando a 1.36% de inadimplentes, enquanto o segmento de PF teve um aumento de 0.08 p.p., atingindo 2.97% de inadimplentes. Em relação ao mesmo mês do ano anterior, os dados mostram uma queda no total de inadimplentes no total de 0.78 p.p., o que sugere um fortalecimento do mercado de crédito durante os últimos meses.


Juros e Spread


Os juros em fevereiro apresentaram uma variação negativa de 0.32 p.p. em relação ao mês anterior, ficando em uma média de 19.76%a.a. A queda dos juros nesse mês se deve principalmente ao crédito para PJ que caiu 1.27 p.p., atingindo 12.16% a.a. Por outro lado, os juros para PF tiveram uma leve variação positiva de 0.27 p.p., alcançando 24.61% a.a. Em relação ao mesmo mês do ano anterior, o juros tanto para PJ quanto para PF tiveram variações negativas, sendo que PJ variou 1.61 p.p. e PF 4.1 p.p..

Por último, analisando o spread, observou-se leva queda de 0.24 p.p. em relação ao mês anterior, sendo que o segmento para PJ teve maior impacto nessa queda. Para PJ, recuou 0.88 p.p. no spread cobrado sobre o crédito, enquanto para PF, observou-se uma alta de 0.15 p.p. Em relação ao mesmo mês do ano anterior, o spread médio das operações de crédito caiu 2.98 p.p. sendo o crédito livre o principal influente desta queda. Os recursos destinados a crédito livre tiveram uma queda média de 5.94 p.p. e os destinados a crédito direcionado uma alta de 0.11 p.p.







24 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo