Equity vs Dívida - por Leonardo Miyashiro

Introdução

Empresas que buscam crescimento e expansão estão muito preocupadas com investindo na companhia, como, por exemplo, empresas que têm Capital Expenditure (CAPEX) muito elevado em comparação aos seus pares. Porém, para ser viável o investimento, a cia precisa de caixa suficiente.

Então, geralmente, existem duas maneiras para a companhia estruturar o seu capital: Capital de terceiros ou capital próprio. Quando nós falamos capital de terceiros queremos se referir a endividamento, enquanto que capital próprio, vender participações da empresa.

Abaixo nós estruturamos uma tabela comparativa para comparar as principais diferenças entre Dívida e Equity.


*obs: Atualmente, existe a obrigatoriedade em distribuir dividendos que corresponde a 25% do lucro líquido ajustado do exercício.


  1. Capitalizar via Equity é mais caro para a empresa do que capitalizar via dívidas. Imagine uma situação em que o retorno da empresa (custo de capital próprio) é de 20%, mas o custo da dívida (custo de capital de terceiros) é de 25%. Se endividar nunca seria viável. Por isso, o custo do capital próprio é mais barato.

  2. Junto à afirmação anterior, fica claro o porquê a dívida possui um menor risco ao investidor, enquanto que o equity possui maior risco. Quanto maior o retorno, maior o risco e vice-versa. Além de que os credores são pagos obrigatoriamente e antes dos acionistas.

  3. As garantias de uma dívida são instrumentos para deixá-la com menos risco e, consequentemente, menor retorno, o que deixa a dívida mais barata ainda. Por exemplo, no caso da empresa destinar um imóvel como garantia, o investidor acaba tendo uma camada de segurança extra, diminuindo o retorno.

  4. Atualmente, na maioria dos casos, não existe uma obrigação das empresas em distribuírem dividendos aos acionistas, enquanto que o pagamento de juros é obrigatório.

  5. Conforme a estrutura da Demonstração do Resultado do Exercício (DRE), após obter o Lucro Operacional, um dos resultados que é somado/subtraído é o Resultado Financeiro, ou seja, isso é calculado antes do Lucro Antes do Imposto de Renda (LAIR) o qual é a base de cálculo para o Imposto de Renda. Dessa maneira, quando você possui a despesa com juros, esse valor acaba reduzindo o LAIR e, consequentemente, as despesas com Imposto de Renda. No entanto, isso não acontece com os Dividendos pois são distribuídos após o Lucro Líquido, exceto os Juros Sobre Capital Próprio.

  6. As dívidas, em certos casos, podem ter compromissos que limitam o endividamento da empresa, os chamados Covenants. O credor utiliza dos Covenants como camadas de segurança para a dívida não resultar em default, como, por exemplo, a empresa não deve chegar em um Dívida Líquida sobre EBITDA igual a X. Caso, tais compromissos não sejam respeitados, a empresa deve pré-pagar a dívida ou recorrer ao perdão ("Waiver"), mas esse é um assunto para outro artigo. Além disso, participando da sociedade da empresa, o investidor acaba tendo o direito de voto conforme as assembleias são organizadas e estruturadas.

Emissões Domésticas - Volume

Apesar de ser um conteúdo um pouco teórico, nós buscamos trazer a prática para os nossos artigos. O gráfico abaixo mostra as emissões domésticas no mercado de capitais há 6 anos. Nós quisemos focar na composição do volume das Debêntures (Dívida, normalmente) e IPOs e Follow-Ons (Equity), apesar de sabermos que existam outros produtos no mercado que permitam a captação para as empresas.



0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo