Commodities - por Caio Argenton

O que são commodities?

As commodities são produtos elaborados em larga escala e que funcionam como matéria-prima, possuem qualidade e características uniformes. Ou seja, não se diferenciam de local para local, nem de produtor para produtor. São exemplos as agrícolas (trigo, milho, açúcar), óleo e minerais (minério de ferro, petróleo, gás natural , metais (ouro, prata alumínio). Os preços das commodities são determinados pelas leis da oferta e da demanda no mercado internacional.

Como as commodities impactam a economia brasileira?

Os efeitos negativos no dinamismo econômico de muitos países, inclusive o Brasil são inegáveis e substanciais. Entretanto, a ascensão da China desde o inicio foi suportada pela sua capacidade de importação de commodities e bens de consumo. E o Brasil sempre foi um de seus principais aliados, fazendo com que pudéssemos ancorar nosso progresso em países ja então consolidados.


Vimos em 2020 e 2021 um crescimento galopante das exportações de commodities da economia nacional mesmo com os patamares de produção ainda baixos. Uma série de fatores explica a continuidade da alta nos preços das commodities. Um dos motivos, segundo analistas do Banco Fibra, é que as duas maiores economias do mundo – Estados Unidos e China – deverão apresentar, simultaneamente, pela primeira vez na história recente, taxas de crescimento superiores a 7%, sendo que, os dois países representam 40% da economia global. E os estímulos fiscais apresentados por tais economias faz com que a demanda por commodities permaneça aquecida.

Outro fator que está contribuindo para a aceleração da demanda nas maiores economias do mundo é a ampliação na escala de vacinação. Com o avanço da vacinação, as economias reabrem e a confiança nos países emergentes, como o Brasil, volta a aparecer. Segundo CEO da BrasilAgro, André Guillaumon, a demanda por commodities juntamente ao alto preço do dólar devem manter o setor de commodities bastante aquecido até o final de 2022.


O que também pode beneficiar o Brasil é o estabelecimento de restrições à exportação de carne por parte da Argentina, depois que os preços no mercado doméstico aumentaram mais de 60% nas últimas semanas. Segundo analistas, o cenário é de contínuo crescimento de produção e renda na agropecuária em 2021, em um contexto de safras recordes e preços elevados para os grãos e forte demanda de exportação. Contudo os riscos climáticos ainda estão presentes, com preocupações com potenciais impactos do La Niña nas lavouras.


O lado positivo da forte alta das commodities é que o fenômeno está ajudando a impulsionar a economia brasileira. Projeções mais otimistas indicam taxas superiores a 4%, o que poderia contribuir para recuperar as perdas registradas em 2020. Mas as expectativas são de crescimento menor do que a média mundial. O Fundo Monetário Internacional espera uma expansão de 6% para o PIB global. A alta nos preços do dólar impulsionam as exportações pois por um lado os vendedores nacionais podem colocar um maior valor de real no bolso, por outro lado as economias externas veem as commodities com preços extremamente atrativos e demandam mais para estoques futuros.


Se, por um lado, há expectativas favoráveis com o crescimento das exportações e uma tendência à valorização do real, por causa da maior entrada de dólares, o aumento nas commodities embute o risco de aumento na inflação. O mesmo que foi tratado no parágrafo anterior acontece neste, com os preços de commodities sendo mais elevados para a economia externa e os vendedores conseguindo embolsar maiores valores eles não se contentam em vender mais barato para dentro da economia interna, fazendo assim com que haja uma pressão extrema na inflação impulsionando os valores dos produtos para cima.


Conclusão

Por fim, é possível enxergar a volatilidade nos preços das commodities por duas vertentes, uma que diz respeito ao aumento do produto interno bruto e outra referente ao aumento da inflação. Pode-se dizer que o PIB brasileiro somente teve um amortecedor pelo aumento nos preços das commodities, mas podemos enxergar um horizonte em que tenhamos uma queda no valor do dólar frente ao real visando uma taxa de juros nos Estados Unidos estabilizados e assim consigamos reduzir nossa inflação e reverter o quadro da nossa economia que anda bastante turbulento no momento presente.

8 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo